sexta-feira, 6 de maio de 2011

Morte da leitura de amor

Quintana me falava de umbigos alheios
e muito amor para dar
centralizado num buraco de anseios
mar e brisa diluídos no ar.

Suspirado foi o zelo de leitores,
empoeirados no tempo de solidão,
matinados na vida sorrateira solteira
de quem quer o sim e faz o não.

É o fugitivo constrangido sem veias honestas
e só resta a companhia lunar.
Que sem lobos nem choros,
corta veia e esvazia a ceia da pudica que morrerá.

Inocência
da alma frívola
queimada até a última cinza.

Um comentário:

Rapouso disse...

a PHoesia de soPHia é PHoda! heheheh

saudade de ti júlia!
cante, dance, escreva e sinta sempre!
mil salves de saudades de ti guria!


p.s.: postagens já feitas de minha nova casa! hehehe aki na bahia!